‘eu quero viver’ dizia ele desesperado. tão desesperado. nunca esqueceremos a desumanidade. nunca nada será mais o que foi. perdemos mais do que alguma vez recuperaremos. a escuridão abateu-se sobre nós. uma fria noite, onde só o frio homem de gravata vence.

a. fonseca

Advertisements