anna karinaeu saí. de livre e espontânea vontade. aliviada fiquei com a ausência de gatinhos, miúdos fofinhos, e jantaradas. foi um mês liberto da pressão dos likes, das notificações, aquela coisa a apitar cada vez que outro comenta a mesma publicação que nós. dava-me a sensação de estar mais só. quem eram aquelas 300 pessoas? eu conheço lá 300 pessoas? ou se calhar já conheci ao longo da vida mas não são estes. estes não sei quem são. e fui.

os amigos e as amigas, aqueles que de facto o são e que de facto mantém contacto comigo sentiram a minha falta. estamos todos pobres e o telemóvel é caro quando não se tem aquele tarifário xpto que dá para falar de graça…o capitalismo é lixado, entala-nos nas mais variadas e inocentes actividades. a amizade sai cara. e com este argumento lá me convenceram a voltar.

voltei e fui muito selectiva nas minhas amizades e muito comedida nas minhas partilhas. para dizer a verdade o melhor daquilo é ir vendo as notícias dos vários jornais na mesma página do pc (no fundo é a preguiça que me move). a possibilidade de falar com os amigos sem gastar telefone nem transportes, que também estão pela hora da morte…o país está pela hora da morte.

hoje, sem que tenha publicado nada…nem mesmo o mais inocente gatinho, aliás embirro um bocado com os bichanos, e nota-se não é? enfim…foi-me cancelada a página…para minha segurança claro…fiquei surpreendida…eu? mas porquê?…será porque a minha foto de perfil é uma foto da Anna Karina? será que não a conhecem? é que nem sou parecida!…a minha segurança? mas para além do governo quem mais me quereria atacar? não será com certeza por suspeitarem que serei alvo de recrutamento pelo estado islâmico, porque já passei da idade

não cheguei a nenhuma conclusão. penso que o assunto já ocupou tempo suficiente do meu dia. apenas sei que vou dormir mais segura hoje. estão a zelar pela minha segurança…a minha…eu…sinto-me lisonjeada com a atenção dispensada. pena que não sirva para nada. pena que se preocupem mais comigo do que com verdadeiras ameaças à nossa segurança. pena que prendam e agridam miúdos só porque moram na Cova da Moura, pena que façam rusgas em escolas públicas, com cães a farejarem as mochilas das crianças, comi li aqui há dias…é uma pena…ficava aqui até se me acabarem as penas

sendo assim e homenageando novamente a belíssima Anna, vou viver a vida, enquanto se decide nas mais altas instâncias, imagino eu, de que forma me iram salvar do mal…seja lá qual for

obrigada, e voltem sempre

a. fonseca

Advertisements